Parada LGBTI na zona sul do Rio é adiada por falta de segurança

PM alegou descumprimento do prazo para solicitar autorização; evento terá nova data
Evento seria este domingo (23/09) mais foi cancelada por ordem da Polícia Militar alegou descumprimento do prazo para solicitar autorização, ouve operações pela manhã nas favelas da Rocinha e Vidigal que ficam próximo no evento - Foto Divulgação

Agendada para este domingo (23), a primeira Parada LGBTI de São Conrado, na zona sul do Rio, foi adiada por falta de segurança. A Polícia Militar alegou descumprimento do prazo para solicitar autorização, mas na manhã deste sábado foram deflagradas operações na Rocinha e no Vidigal, próximos ao local do evento.

Os organizadores da parada informaram que decidiram acatar a decisão e que agendarão nova data. "A organização entrou em um consenso de aceitar, até porque é para a segurança de todos nós", disse em uma rede social Priscila Rodrigues, uma das responsáveis pelo evento.

Em nota, a assessoria da Polícia Militar disse que o evento não foi autorizado "por estar em desacordo com o prazo definido no Decreto n°44617, que dispõe sobre a concessão de autorização para a realização de eventos culturais, sociais, desportivos, religiosos e quaisquer outros que promovam concentrações de pessoas".

O decreto estadual estabelece que os pedidos devem ser feitos em prazos mínimos que variam entre 40 e 70 dias, dependendo da expectativa de público. A organização havia perdido o prazo, mas poderia recorrer a uma liminar para realizar o evento.

Na manhã deste sábado batalhões especializados da PM, como o Bope (Batalhão de Operações Especiais) e o Batalhão de Choque, iniciaram operações nas comunidades, que convivem com guerra entre facções criminosas. Na Rocinha, até o início da tarde, haviam sido apreendidas 17 granadas, drogas e balanças de precisão.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, Priscila Rodrigues respondeu questionamentos do público com relação ao adiamento e agradeceu o apoio das autoridades. "Peço que vocês tenham compreensão, não julguem os órgãos públicos", disse ela. A parada tinha apoio da Secretaria de Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio.

O evento teria uma homenagem ao funkeiro Mr Catra, morto no dia 9 de setembro aos 49 anos. Entre as atrações confirmadas, estavam as funkeiras Valesca Popozuda e MC Sabrina. Rodrigues disse que todos confirmaram que estarão presentes na nova data, ainda a ser definida.

bear plus magazine