‘Super Drags’: Pediatras querem cancelar a animação brasileira LGBT, e Netflix rebate!

Netflix fez um vídeo onde explica claramente que a série tem a classificação indicativa é de 16 anos e a responsabilidade dos pais em filtrar o conteúdo para as crianças! (Youtube)

A primeira série em animação brasileira da Netflix, ‘Super Drags’, ainda nem estreou e já tem sido alvo de uma grandiosa polêmica.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) emitiu uma nota de repúdio à produção, solicitando o seu cancelamento, por considerar o seriado prejudicial para o público infantil.

No comunicado oficial, a instituição reitera seu respeito à diversidade sexual, mas aponta os perigos de utilizar uma linguagem naturalmente considerada infantil para dialogar temáticas destinadas para o público adulto.

Ainda assim, a Netflix defendeu seu posicionamento com um vídeo, que traz a drag queen brasileira Silvetty Montilla dublando a personagem Vedete Champanhe, deixando claro que a classificação indicativa é 16 anos e é responsabilidade dos adultos em filtrar o conteúdo para as crianças.

A gigante do streaming conta com o controle parental, que limita o acesso a certos títulos, quando ativado.

Esta não é a primeira vez que uma animação voltada para o público adulto gera controvérsias. Em um passado recente, o polêmico filme ‘Festa da Salsicha’ fez a HBO ser alvo de duras críticas, por exibir a produção – que traz conteúdo explícito e linguagem indevida – nos períodos matutinos e vespertinos, horário em que as crianças mais assistem TV.

A série contará com cinco episódios que irão mostrar as aventuras de três jovens, Patrick, Donny e Ramon, que de dia trabalham em uma loja de departamento com clientes irritantes e um chefe escroto. À noite, eles liberam suas divas internas para se tornar Lemon Chiffon, Safira Cian e Scarlet Carmesim, três fabulosas Super Drags que foram recrutadas para reunir a comunidade LGBT e espalhar amor pelo mundo.

Assista o teaser:

bear plus magazine