A 24ª Parada do Orgulho LGBTQ de Bruxelas, na Bélgica, deu uma polêmica que quase estragou a grande festa. Um grupo de 40 pessoas tentou bloquear a continuidade da caminhada - Foto : Divulgação

Polícia usa gás lacrimogêneo contra manisfestantes LGBTQs, na Bélgica

A 24ª Parada do Orgulho LGBTQ de Bruxelas, na Bélgica, deu uma polêmica que quase estragou a grande festa. Cerca de 100 mil pessoas participaram do evento, que aconteceu no último sábado (18 de maio).

De acordo com o RTBF, um grupo de 40 pessoas tentou bloquear a continuidade da caminhada, segurando faixas com os dizeres: “Reclaim The Pride”.

Estamos protestando a falta de ação política e a incerteza para a comunidade LGBTQ e todos os profissionais do sexo”, explicaram os manifestantes.

Os manifestantes reclamavam da presença de policiais no desfile e, quando tentaram voltar para a multidão, as autoridades usaram spray de pimenta e gás lacrimogêneo para impedi-los.

O grupo também foi surpreendido após expressar indignação devido à passagem de uma van da New Flemish Alliance, partido político nacionalista e conservador da Bélgica, fundado em 2001.

O grande foco da Parada LGBTQ de Bruxelas deste ano foi a interseccionalidade. “A interseccionalidade é uma referência aos distúrbios da Stonewall, de 1969, em Nova York, que completou 50 anos”, disse Cyrille Prestianni, diretor do evento.

A Stonewall marcou o início da luta pelos direitos da comunidade LGBTQ em todo o mundo.

"This is to cry for! LGBTQI+ demonstrators blocked by the police from #BelgianPride for protesting against the @de_NVA van, Flemish fascist party. Supporting demonstrators pushed away by the police with force and pepper spray to allow the van through. Pride is political! pic.twitter.com/qcDKtjhKYs"

Marine Betrancourt (@MarineBetranco1) 18 de maio de 2019

Prestianni ainda frisou que o desfile não era apenas sobre comemorações. “Isto não é apenas uma festa, mas é uma demonstração também. Nós fazemos festa hoje, pois é o único dia em que estamos absolutamente livres para fazer o que queremos”, explicou, acrescentando que “Na Bélgica, ainda há ataques contra a comunidade LGBTQ e precisamos destacar isso. É o que estamos dizendo hoje, que estamos aqui e sempre estaremos aqui”.

A Bélgica é um dos países mais avançados da Europa em termos de direitos dos LGBTQs. O país legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2003.

Fonte : Observatório G

>
bear plus