Dj Léoo Santos

Com um olhar de garoto safado, este rapaz ainda vai conquistar você, querido leitor! Este é o Leonardo dos Santos Soares, cujo apelido é Léo Santos (27 anos) que está há mais de seis anos tocando em várias casas noturnas espalhadas no Estado de São Paulo.

Foto by Maurício Mendes

Sua trajetória artística começou tocando apenas para alguns amigos que sempre convidavam para participar nas festas particulares e depois começou a tocar em eventos maiores. Assumindo depois, profissionalmente, as Pickups de uma famosa balada em Embu das Artes que fica próxima na capital paulista.

De lá pra cá, passou para outras festas como The Sensation, Arenna After e Severus Bear onde foi a primeira oportunidade de ser residente. Atualmente ele tocou em algumas Paradas Gays como de Francisco Morato e Franco da Rocha que ficam na Grande São Paulo.

Depois participou em várias casas noturnas e festas LGBT na capital paulista como Blue Space, Tunnel, Bar Queen, Viva Pool, Danger Dance Club e Sound Experience.

Conceituado, atualmente é residente na Termas Fragata e no próximo dia 26 de maio será também residente na Carolina’s Bar. A redação da Bear Plus Magazine fez algumas perguntas para este garoto que tem muita vibração para mostrar e tocar, claro! Se quiser conhecer um pouco do trabalho dele, clique AQUI para acessar o web site do DJ.

Foto by Maurício Mendes

Quais os seus planos no futuro, Léoo?

Meus planos pro futuro são continuar trabalhando e me esforçando como DJ, produtor e como pessoa; continuar levando a música paras as pessoas se alegrarem; construir uma família e também fazer tour levando a minha música para fora do Brasil.

Como começou o seu interesse musical?

Meu interesse musical começou quando eu tinha 16 anos escutando house funk e antes entrar para a cena LGBT eu era DJ de funk aí fui pegando cada vez mais o gosto pela música até descobrir o tribal house que é a vertente que toco hoje e, de la pra cá, me apaixonei pelo som das músicas LGBT.

Muitas pessoas ficam dando sugestões musicais (bilhete com nome do cantor ou música) enquanto você toca nas Pickups. O que você faz para não deixar a pessoa triste?

Sim claro as sugestões veem sempre para que você possa melhorar o trabalho. Cada vez mais as pessoas vêm e pedem para tocar a música "daquela cantora" e nem sempre temos as músicas que o público pede mas se tiver eu toco para deixar não só ela feliz, como o restante do público também. O que eu faço para deixar as pessoas felizes começa na escolha das músicas que são pensadas para agradar a todos. Sempre levo na minha bagagem músicas que o público irmão ficar feliz, dançar, gritar, pular, e no final receber um abraço e ouvir deles que eu arrasei, que o meu set foi incrível e que eles voltaram para casa felizes. Essa é minha maior felicidade, ver o meu público feliz quando toco.

Foto by Maurício Mendes

Qual a inspiração (cantor, grupo ou cantora) no qual sempre ouve diariamente?

Escuto sempre músicas de DJ e produtores que gosto para ter uma maior inspiração na hora de tocar e na hora de produzir minhas próprias músicas .

O que você avalia sobre a comunidade ursina?

Vejo que estão sempre atuando em todos os lugares no universo pelo mundo, vejo sempre alguns deles tocando nas baladas conhecidas na capital paulista com o Bispo que toca sempre na Ursound. Também tem o estilo próprio de ser vestir e manter sempre em grupo, isto é muito bom! Como ainda não tenho tanta amizade com eles, mas concordo que é importante manter o estilo próprio dentro de uma comunidade que é tão ampla como LGBT onde toco há mais de cinco anos e sempre nas Paradas tem um grupo grande de urso que adoram dançar, se divertir e claro, adora uma boa cerveja!

bear plus magazine (portuguese)