Clifton é uma das praias mais lindas (e mais famosas) da Cidade do Cabo que fica na Africa do Sul - Foto : Wikimedia commons / reprodução

5 melhores destinos internacionais para os LGBTs em 2020

  • Folhapress
  • 11 de janeiro - 2020

Viajar exige riscos, mas para a comunidade LGBT+ há alguns extras, como os que envolvem segurança pessoal, somente por ter uma determinada orientação sexual ou identidade de gênero.

Para auxiliar esses viajantes a escolherem suas viagens minimizando riscos, um júri de peso foi convidado pelo site de viagem LGBT+ Viaja Bi! para eleger os principais destinos para gays, lésbicas, bissexuais e pessoas trans visitarem em 2020 no Prêmio Viaja Bi!. O time inclui brasileiros e estrangeiros especialistas em turismo, como Rafael Leick, Fábio Vilela, e muito mais; e influenciadores LGBT+ como Pedro HMC, Penelopy Jean e Rafael Supernok. Liderando a lista de cinco destinos internacionais, ficou a África do Sul, o principal e um dos poucos países da África a acolher a comunidade LGBT+. Na Europa, há diversas cidades que acolhem a comunidade, como Londres, que levou o 2º lugar. Outros destinos, como Israel, São Francisco e Los Angeles (Califórnia), Irlanda, Bogotá (Colômbia) e Puerto Vallarta (México) são mencionados.

1º Lugar ► África do Sul

O 1º lugar da nossa votação foi conquistada por um dos destinos que vêm ganhando relevância no turismo LGBT+. Cada vez se ouve falar mais desse pedacinho da África, que é diferente de muitos outros destinos do continente e foi o 5º país no mundo a legalizar o casamento homoafetivo, em 2006. A Cidade do Cabo (Cape Town) é uma das principais cidades para o turismo LGBT+.

2º Lugar ► Londres

O que dizer da minha segunda cidade? Apesar das contradições recentes de que foi palco na política em relação ao Brexit e ao atual Primeiro Ministro, não há o que se dizer em relação à questão LGBT+. Quando morei lá, em 2009/2010, a cidade já era uma das mais avançadas do mundo nesse quesito. É um pólo cultural, um caldeirão social e o Soho concentra boa parte da vida gay da cidade. Vauxhall também é um destaque. Confira o guia gay de Londres para mais informações.

3º Lugar ► Tailândia

Destino ainda não tão conhecido do público brasileiro mas que se destaca há muitos anos por ser amigável ao público LGBT+, especialmente ao público trans. Une praias com visual paradisíaco a uma cultura riquíssima e muita tradição, associada à hospitalidade do povo. Bangkok é a principal cidade para uma vida noturna agitada e cena LGBT+ vibrante.

4º Lugar ► Amsterdam

Uma das cidades mais abertas e inclusivas que já conheci, a liberdade é parte do DNA. A Pride é uma das mais diferentes do mundo, acontecendo nos barcos pelos canais, sendo um dos principais eventos da cidade. É o 2º maior, na verdade, depois do Dia do Rei, e a cidade literalmente pára e fica toda colorida. É lindo. As casinhas e todo o cenário construído pela cidade aos nossos olhos faz ela ser linda e fofa, não tem como não amar. A Holanda, vale ressaltar, foi o 1º país do mundo a legalizar o casamento homoafetivo, em 2001.

5º Lugar ► Espanha

Além de menções nominais, a Espanha também recebeu votos em cidades específicas, como Madri, Barcelona e Valência. O país certamente é um dos mais avançados nos direitos da comunidade LGBT+ e sempre tem destaque em lista de países friendly. O país em geral recebe muitos eventos do segmento, como a World Pride em Madri em 2017 e foi o 4º país do mundo a legalizar o casamento homoafetivo, em 2005. Mesmo cidades menores, como Torremolinos, que visitei em 2016, têm diversas opções para a comunidade, como um hotel gay (com rooftop nudista, tá?). Leia o guia gay de Torremolinos para mais informações. Outras cidades também contam com hotéis direcionados ao público LGBT+.

h1
Criada em 2007 é a publicação mais antiga do projeto Bear que se iniciou como um blog e á partir de 2010 passou ser um site (com.br) e um ano depois foi lançada a primeira edição em PDF (online) que hoje é a única que estar no mercado da comunidade ursina no país! Atualmente é a principal rede de comunicação bear do Brasil e na América do Sul.